Olhar Agro & Negócios

Sexta-feira, 24 de maio de 2019

Notícias / Economia

Soja, pecuária e algodão são responsáveis por 81% da produção em Mato Grosso; veja dados

Da Redação - Wesley Santiago

15 Jan 2019 - 15:45

Foto: Reprodução

Soja, pecuária e algodão são responsáveis por 81% da produção em Mato Grosso;  veja dados
O Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) apontou que, em 2018, foram produzidos quase R$ 85,6 bilhões em Mato Grosso. Deste total, quase R$ 70 bilhões são referentes a soja, pecuária e algodão (81% do total). No país, os valores da produção de algodão e de soja foram os maiores registrados na série iniciada em 1989.

Leia mais:
"Se botar um centavo de tributação, eu nunca mais planto um pé de milho em MT", diz presidente da Aprosoja
 
Esses resultados trouxeram importantes benefícios, especialmente àqueles estados onde predominam as lavouras desses produtos, como Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e Bahia.
 
Em Mato Grosso, novamente a maior produção foi de soja, com R$ 36.095.322.260 em 2018. O número é maior que o do ano passado, quando foram registrados R$ 30.860.542.025. Logo em seguida vem o algodão herbáceo com produção de R$ 21.430.293.945, superando os R$ 15.187.595.578 do ano passado.
 
Na lavoura, a criação de bovinos foi a de maior produção, com R$ 12.081.420.286, superando os R$ 11.721.964.654 de 2017. No total, todas as lavouras somaram a produção de R$ 69.737.809.428, enquanto que a pecuária somou R$ 15.949.460.334, totalizando R$ 85.687.269.761.
 
Brasil 2019
 
As perspectivas para 2019 mostram aumento do faturamento devido, principalmente, à melhoria da pecuária, que mostra crescimento em quase todas suas atividades. As primeiras estimativas mostram crescimento de 2,1% do VBP em relação ao último ano, o que representa faturamento de R$ 581,6 bilhões.

Confira os detalhes clicando AQUI.

5 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Chirrão
    16 Jan 2019 às 21:49

    Acabam com os asfaltos das rodovias com seus caminhões acima do peso, tem beneficios na compra de máquinas e equipamentos, descontos na compra de CAMINHONETONAS, tem isenções fiscais a rolé, e ainda não querem ajudar o estado a sair do BURACO..Aqui em MT, os produtores colhem 2 safras recordes no ano, diferente dos produtores do nordeste, que plantam sem saber se vão colher alguma coisa. "CHORANDO DE BARRIGA CHEIA".

  • Gustavo
    16 Jan 2019 às 09:40

    Mostrem também o custo de produção de cada cultura desta, mostrem os impostos pagos, para aqueles que não produzem saberem da verdade, do tanto que o produtor matogrossense paga para produzir e o quanto de lucro de realmente tem.

  • Jader
    15 Jan 2019 às 20:13

    O Estado de MT não é só o agronegócio. O que se questiona é a o retorno do investimento feito pelo Estado mediante isenções fiscais. Visto que parte da previdência paga, inclusive pelos servidores financia o BNDS que financia o agronegócio. E o imposto de renda financia as estradas para as carretas passarem, e a mão de obra faz tudo isso funcionar. Agora, que retorno o agronegócio dá para o Estado? Pois, os profissionais que trabalham no agron. vieram das escolas públicas ou pagas por eles mesmos. O que vejo é meia dúzia ganhando bilhões, sem pagar imposto, enquanto a população em geral, inclusive o servidor paga quase 40% de imposto. Senhores feudais...

  • Raimundo
    15 Jan 2019 às 18:26

    São cidades e regiões inteiras que dependem e vivem exclusivamente dessas atividades, sem falar em impostos de combustível, máquinas, peças, defensivos, taxas públicas, cartórios, bancos e seus funcionários, prestadores de serviços, telecomunicações, energia elétrica, profissionais liberais...

  • Chico Bento
    15 Jan 2019 às 16:46

    Mas os servidores públicos acham que eles são os maiores produtores do Mato Grosso, não?

Sitevip Internet