Olhar Agro & Negócios

Terça-feira, 17 de maio de 2022

Notícias | Agronegócio

aprovado

IMAmt obtém registro de cultivares de algodão geneticamente modificadas

As duas variedades que conseguiram o registro são a IMA 5672B2RF e a IMA 5675B2RF e ambas contém as tecnologias Bollgard II e Roundup Ready Flex, que são tecnologias de segunda geração da Monsanto, caracterizando-se como cultivares de algodão geneticamente modificado resistente a insetos da ordem lepidóptera e tolerante ao herbicida glifosato.

Foto: Reprodução / Ilustração

IMAmt obtém registro de cultivares de algodão geneticamente modificadas

IMAmt obtém registro de cultivares de algodão geneticamente modificadas

O Instituto Mato-grossense do Algodão (IMAmt), o braço tecnológico da Associação Mato-grossense dos Produtores de Algodão (AMPA), conseguiu o registro de duas cultivares geneticamente modificadas junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). A aprovação é um passo importante para se obter a multiplicação dessas novas variedades e sua possível disponibilização aos produtores de algodão de Mato Grosso para a safra 2013/14.

2º maior centro mundial de comercialização no passado, estado volta a cultivar algodão

Algodão colorido é opção de renda para agricultura familiar

A notícia da inclusão das variedades desenvolvidas pelos pesquisadores do IMAmt no Registro Nacional de Cultivares do Mapa foi recebida com entusiasmo pela direção do instituto, já que elas contém genes que conferem tolerância a lagartas-pragas do gênero Helicoverpa spp, utilizados com sucesso na Austrália no controle da Helicoverpa armigera, que está atacando lavouras de algodão de vários estados, entre eles, Mato Grosso.

As duas variedades que conseguiram o registro são a IMA 5672B2RF e a IMA 5675B2RF e ambas contém as tecnologias Bollgard II e Roundup Ready Flex, que são tecnologias de segunda geração da Monsanto, caracterizando-se como cultivares de algodão geneticamente modificado resistente a insetos da ordem lepidóptera e tolerante ao herbicida glifosato.

"Com esse registro, teremos autorização do governo brasileiro para a importação de quantidade significativa de sementes genéticas que estão prontas nos Estados Unidos e assim conseguir multiplicar em maior quantidade, disponibilizando rapidamente aos produtores. Estamos correndo contra o tempo para conseguirmos ter sementes para comercialização nesta próxima safra", afirmou o diretor executivo do IMAmt, Alvaro Salles.

Ele explicou que as cultivares registradas são precoces e devem se encaixar muito bem no sistema de plantio de algodão em Mato Grosso, podendo ser plantadas em janeiro. O plantio de algodão em Mato Grosso geralmente é iniciado em 1º de dezembro, após o fim do período obrigatório de vazio sanitário. Os produtores estão iniciando este mês a colheita da safra 2012/13.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet