Olhar Agro & Negócios

Sábado, 14 de dezembro de 2019

Notícias / Emprego

População desocupada em Mato Grosso chega a 148 mil; aumento de 24%

Da Redação - Fabiana Mendes

24 Nov 2019 - 14:25

Foto: Rogério Florentino Pereira/OD

População desocupada em Mato Grosso chega a 148 mil; aumento de 24%
Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD-C) , do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) aponta que taxa de desocupação em Mato Grosso foi de 8% referente aos meses de julho a setembro de 2019. Eram 148 mil desocupados no terceiro trimestre deste ano. Comparado ao mesmo período de 2018, houve aumento de 1,3 ponto percentual. Porém, continua sendo um dos três estados com as menores taxas de desocupação no país, atrás apenas de Mato Grosso do Sul (7,5%) e Santa Catarina (5,8%).

Leia mais:
MT tem 345 mil trabalhadores sem carteira assinada e 148 mil desempregados, aponta IBGE

No país, esse índice ficou em 11,8%. Na Região Metropolitana Vale do Rio Cuiabá, a taxa de desocupação foi de 11,4%, um aumento de 3,6% em relação ao mesmo período de 2018. A capital Cuiabá não apresentou variação significativa no trimestre, com a taxa de desocupação estimada em 11,8%, acompanhando a taxa nacional.

População ocupada

Estimada em 1,7 milhão de pessoas no estado, a população ocupada aumentou em 49 mil trabalhadores (3% em relação ao mesmo período do ano anterior) no estado. Segundo o chefe substituto da Unidade Estadual de Mato Grosso do IBGE, Márcio Henrique de Freitas Cavichiolli, a melhora ocorreu principalmente devido à informalidade e ao aumento na contratação de trabalhador doméstico sem carteira. Nessa ocupação, houve uma alta de 21,2%, com 15 mil novos funcionários.

População desocupada

A população desocupada aumentou de 119 mil, no terceiro trimestre de 2018, para 148 mil, no mesmo período deste ano, alta de 24,1% ou 29 mil desocupados. Em relação ao trimestre anterior, de abril a junho, o terceiro trimestre de 2019 não teve variação estatisticamente significativa.

Subocupação

Outro dado positivo do trimestre foi a diminuição em 17 mil de pessoas subocupadas por insuficiência de horas trabalhadas em relação ao segundo trimestre deste ano. Subocupados são pessoas com 14 anos ou mais que trabalham menos do que 40 horas semanais, gostariam de trabalhar mais e estariam disponíveis para assumir atividade remunerada com maior carga horária.

 Rendimento médio real

 Estimado em R$ 2.259, o rendimento médio real habitual de todos os trabalhos não apresentou variação estatisticamente significativa frente ao mesmo período do ano anterior. Para o empregado de setor público sem carteira, o salário médio aumentou de R$ 2.200 para R$ 2.680 em um ano, diferença de 21,8%.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet