Olhar Agro & Negócios

Quarta-feira, 19 de junho de 2024

Notícias | Agricultura Familiar

1,8% NO VALOR

Cesta básica em Cuiabá fecha julho com recuo no preço e atinge menor valor desde abril

Foto: Reprodução

Cesta básica em Cuiabá fecha julho com recuo no preço e atinge menor valor desde abril
O boletim semanal da cesta básica, realizado pelo Instituto de Pesquisa e Análise da Fecomércio Mato Grosso (IPF-MT), mostrou recuo de 1,82% no valor do mantimento na última semana de julho sobre a semana anterior. A queda de R$ 13,88 na variação nominal fez com que a cesta, que encerrou o mês a um custo de R$ 750,14, ficasse apenas 5,73% mais cara que o observado na mesma semana do ano passado, quando o mantimento custava R$ 709,48.


Leia mais
Ginco realiza evento e oferece oportunidade para aquisição das últimas unidades de empreendimento


Segundo análise do IPF-MT, o tomate e a batata foram, novamente, os itens que mais variaram esta semana, puxando o preço da cesta básica para baixo, com recuo de 12,58% e 11,22%, respectivamente. Além deles, o óleo também apresentou uma queda relevante em seu preço médio, de 1,65%.

O superintendente da Fecomércio-MT, Igor Cunha, esclarece que “o valor atual da cesta é o menor desde a primeira semana de abril. O patamar atual mais barato é reflexo da diminuição, principalmente, do óleo de soja, do feijão e do arroz, que vêm apresentando tendência de queda nos últimos meses. Outros alimentos, como o tomate e a batata continuam ocasionando variações bruscas no preço da cesta básica, uma vez que suas oscilações estão diretamente ligadas a fatores climáticos, que afetam na maturação e colheita dos produtos”.

Ainda conforme o Instituto, o recuo no preço do tomate pode estar atrelado ao aumento das temperaturas nas regiões produtoras, visto que o clima mais quente acelera a maturação da fruta, de modo a elevar o volume ofertado. Ainda assim, o tomate soma alta de 61,44% em relação ao mesmo período de 2022.

Com relação à batata, o IPF-MT destaca que a intensificação da colheita da safra atual ocasionou um aumento na oferta do tubérculo, e diante de uma demanda estável, os preços foram pressionados no varejo. Este é o quinto recuo consecutivo no preço do tubérculo, que acumula retração de 29,13% no período.

Já o recuo no preço do óleo de soja pode ser motivado pela alta oferta do grão do mercado mundial, visto que o Brasil e outros países produtores possuem estoques de soja, o que pressiona para baixo os preços da matéria-prima para beneficiamento do produto, o que gera o cenário observado nas gôndolas. Este item também chega a um recuo de 31,65% no comparativo com a mesma semana do ano anterior, saindo de R$ 10,33 para os atuais R$ 7,06.

O superintendente da federação conclui, ainda, que “a diminuição em nove dos 13 itens contribui no consumo atual das famílias e na retração do preço do mantimento, que mesmo em alta no comparativo anual, pode levar a um crescimento de menor grau no custo da cesta básica cobrado em Cuiabá”.

O Sistema S do Comércio, composto pela Fecomércio, Sesc, Senac e IPF em Mato Grosso, é presidido por José Wenceslau de Souza Júnior. A entidade é filiada à Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), que está sob o comando de José Roberto Tadros.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet