Olhar Agro & Negócios

Segunda-feira, 22 de abril de 2024

Notícias | Indústria

EMPREGOS SERÃO MANTIDOS

Levantamento aponta prejuízo de R$ 800 milhões após incêndio em frigorífico da JBS; veja vídeo

Foto: Reprodução

Levantamento aponta prejuízo de R$ 800 milhões após incêndio em frigorífico da JBS; veja vídeo
Um levantamento sobre o incêndio que atingiu a unidade do frigorífico JBS, em Diamantino (181 km de Cuiabá), apontou um prejuízo de R$ 800 milhões entre produtos perdidos, estrutura e reconstrução. Apesar dos danos, foi informado que aproximadamente 1,4 mil funcionários serão mantidos pela empresa.

Leia também:
Incêndio em frigorífico da JBS pode prejudicar escala do abate de bovinos, aponta Acrimat


Na manhã deste sábado (17), o deputado estadual Eduardo Botelho (UB) acompanhado do ministro da Agricultura, Carlos Fávaro (PSD) e do ministro do Superior Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, fizeram uma reunião com os empresários Wesley e Joesley Batista para realizarem um levantamento dos prejuízos.

"Saímos daqui com notícias boas. Foi confirmado pela diretoria da JBS que apesar de todas as dificuldades eles vão garantir o emprego de todos que estão aqui. Estamos planejando uma reunião com o governador para juntarmos esforços para ajudar esse grupo que está investindo em Mato Grosso", afirmou Botelho.

Botelho disse ainda que vai propor indicações para agregar valor à empresa e região, incentivando a fabricação de gelatina e o beneficiamento do couro. 

A Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat) afirmou que o incêndio pode prejudicar a escala de abates bovinos em Mato Grosso já que a unidade de Diamantino recebe animais não só de áreas próximas da indústria, mas de grandes centros produtores principalmente da capital e seu entorno e da região noroeste e norte do estado.

"Num momento em que as indústrias em todo o estado estão a pleno vapor, se utilizando praticamente 100% da capacidade, a suspensão da operação nessa unidade certamente prejudicará ainda mais as escalas de abate em todo o estado", disse a Acrimat.

O CEO da companhia, Wesley Batista, apontou que em aproximadamente seis meses a unidade retomará os abates. A desossa será feita em outras unidades até a reforma da estrutura estar completa. Após certificação da empresa para o fornecimento ao mercado chinês, será ampliado a capacidade de abate de mil para 3.600 cabeças/dia.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet