Olhar Agro & Negócios

Segunda-feira, 26 de fevereiro de 2024

Notícias | Geral

NOVAS TECNOLOGIAS

Empresas firmam parceria para substituir mercúrio na mineração em MT

Foto: Foto: Divulgação

Empresas firmam parceria para substituir mercúrio na mineração em MT
Empresas privadas de mineração em Mato Grosso estão em busca de alternativas para implementar novas tecnologias que possam atuar na substituição do uso do mercúrio no processo de amalgamação, investindo em projetos com foco na melhoria da eficiência e produtividade, com redução dos impostos ambientais.

Leia mais:
Mineração do grupo Fomentas recebe prêmio de associação suíça por produção de ouro responsável


Nesse sentido, a Fênix DTM, empresa privada autorizada pelo Banco Central do Brasil para atuar como instituição financeira na compra e venda de ouro, com sede em Cuiabá, e a Brastorno Tecnologia em Equipamentos para Mineração firmaram termo de cooperação para implementar uma solução sustentável que possa auxiliar os mineradores na substituir gradativa do uso do mercúrio.

À disposição no mercado, o “Pelicano”, equipamento da Brastorno, funciona como um reator de fiação intensiva onde o minério concentrado é submetido a lixiviação e através do processo de eletrodeposição, o metal é recuperado e se torna adequado para a fundição.

“A tecnologia Pelicano nasceu da necessidade de aumentar a recuperação de pequenos mineradores, ou seja, fazer com que eles sejam competitivos a nível mundial, com a proposta de substituir o mercúrio”, explica o CEO da Brastorno, Igor Justino Fernandes.

Segundo ele, a missão da empresa é gerar tecnologias que se preocupem com as gerações futuras, desenvolvendo soluções sustentáveis em equipamentos. A Brastorno está sediada na cidade de Lagoa Santa, em Minas Gerais.

“Depois de várias etapas de desenvolvimento, chegamos a um ponto em que acreditamos que seja o melhor a oferecer para a pequena mineração. Não é um equipamento é uma solução oferecida para que o minerador esteja alinhado com as boas práticas ambientais”, ressalta Igor Fernandes.

Conforme o diretor da Fênix DTVM, Pedro Eugênio Gomes Procópio da Silva, o setor privado busca contribuir com a pequena mineração, oferecendo suporte técnico e científico, além de auxiliar com a influência de outros parceiros para implementar ações que sejam viáveis economicamente e operacionalmente às minas.

“O setor privado está à frente de iniciativas que possam auxiliar os pequenos mineradores em suas dificuldades, buscando alternativas viáveis para aprimorar a eficiência de seus processos, mas ao mesmo tempo, que sejam soluções ambientalmente conscientes”, frisou.

Devido a natureza de seus negócios, a Fênix DTVM possui relacionamento comercial e abertura com diversos pequenos mineradores de ouro, abrindo caminho para que duas minerações da baixada cuiabana possam iniciar o desenvolvimento da solução “Pelicano” em suas unidades.

A alternativa para substituição do mercúrio no processo de amalgamação da pequena e média mineração do ouro na baixada cuiabana vem de encontro com o propósito da Convenção de Minamata, acordo em vigor desde 2017, cujo objetivo principal é ajudar os países a restringir e adotar soluções ao uso do mercúrio. Mais de 140 países, incluindo o Brasil, assinaram o acordo.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet