Olhar Agro & Negócios

Sexta-feira, 20 de maio de 2022

Notícias | Logística

ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO

Governo federal já recebeu 11 pedidos para construção de ferrovias em MT e ultrapassa R$ 44 bi em investimentos projetados

Foto: Vinícius Rosa/MInfra

Governo federal já recebeu 11 pedidos para construção de ferrovias em MT e ultrapassa R$ 44 bi em investimentos projetados
Lançado em setembro de 2021, o programa federal Pro Trilhos já recebeu 11 requerimentos para construção e operação de ferrovias privadas pelo regime de autorização em Mato Grosso. Até o momento, apenas dois pedidos (da VLI Multimodal S.A. e Rumo S.A.) já tiveram contratos de autorização, sendo eles para o mesmo trecho entre Água Boa e Lucas do Rio Verde.

Leia também:
Três empresas pretendem construir mesmo trajeto de ferrovia entre Água Boa e Lucas

Somados, os projetos apresentados para escoar a produção agrícola do Estado têm projeção de atingir R$ 44,6 bilhões em investimentos e mais de 3,6 mil quilômetros em extensão de novos trilhos. Formuladas por cinco empresas, as propostas ligam 13 municípios diferentes.

Os projetos mais avançados são os apresentados pela VLI e Rumo, que pretendem construir o mesmo trecho de estradas de ferro e terminais ferroviários entre Água Boa e Lucas do Rio Verde, se conectando com a Ferrovia de Integração do Centro-Oeste (Fico), lançada pelo presidente da República, Jair Bolsonaro (PL), em setembro. A Rail-In Engenharia Eirelli também entrou na disputa e aguarda decisão final do Ministério da Infraestrutura (MInfra).

A Rumo também apresentou proposta para construção de outros cinco trechos. No ano passado, a empresa assinou contrato com o Governo de Mato Grosso, para a construção da primeira ferrovia estadual, que irá interligar os municípios de Rondonópolis a Cuiabá, além de Rondonópolis com Nova Mutum e Lucas do Rio Verde, e que vão se conectar à malha ferroviária nacional, em direção ao Porto de Santos (SP). 

Em Nova Mutum, a Rumo quer construir trilhos até Campo Novo dos Parecis. O projeto prevê investimento de R$ 2,3 bilhões para trecho de 230 Km. O MInfra analisa a compatibilidade locacional do modal.

A Rumo ainda pretende ter autorização para construir estradas de ferro entre: Bom Jesus do Araguaia a Água Boa (R$ 2,49 bilhões/ 249,2 Km); Primavera do Leste e Ribeirão Cascalheira (R$ 4,9 bilhões/498 Km); Santa Rita do Trivelato a Sinop (R$ 2,51 bilhões/250,7 Km); e Ribeirão Cascalheiras até Figueirópolis, no Tocantins (R$ 5,61 bilhões/560,8 Km).

Zion e Garin

O trecho entre Lucas do Rio Verde e Sinop é disputado por duas empresas: a Zion Real Estate (R$ 1,5 bilhão/ 153 Km) e a Garin Infraestrutura (1,4 bilhão/146,7 Km).

A Zion também pretende implantar ferrovia entre os municípios de Sinop a Moraes Almeida, no Pará. O investimento previsto é de R$ 7,2 bilhões, para 726 Km de trilhos.




Novos crivos

Presidente do Fórum Pró-ferrovia e secretário municipal de Agricultura, Trabalho e Desenvolvimento Econômico, Francisco Vuolo afirmou que este é um processo que envolve inúmeros traçados e que, com certeza, terá que passar por um segundo crivo. Segundo ele, a efetiva construção dos traçados ainda terá que passar por novos crivos.

“Entendo que nesse momento o que acontece é simplesmente uma manifestação de interesse. São investimentos da iniciativa privada, que se entender lá na frente que não há viabilidade econômica, com certeza não aportarão recursos”, explicou.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet