Olhar Agro & Negócios

Quarta-feira, 22 de setembro de 2021

Notícias / Logística

centro de produção de grãos

Outorgas de concessões devem levar ferrovia FICO até Lucas do Rio Verde

Da Redação - Isabela Mercuri

11 Set 2020 - 16:23

Foto: da Assessoria

Outorgas de concessões devem levar ferrovia FICO até Lucas do Rio Verde
Novas outorgas de concessão podem levar os trilhos da Ferrovia de Integração do Centro-Oeste (FICO) até a cidade de Lucas do Rio Verde (334km de Cuiabá), um dos principais centros de produção de grãos do Brasil. A informação foi dada pelo ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, ao senador Wellington Fagundes (PL-MT), presidente da Frente Parlamentar de Logística e Infraestrutura (Frenlogi).

Leia também:
Impedimento de licenciamento ambiental pode atrasar construção de ferrovias e rodovias de MT
 
Segundo Freitas, a intenção é usar valores recolhidos no ato das concessões ferroviárias para construir novos trechos. Além disso, a extensão FICO de Água Boa até Lucas do Rio Verde deve ser viabilizada com uma futura concessão do primeiro trecho da própria FICO, entre Mara Rosa (GO) e Água Boa, e da Ferrovia de Integração Oeste-Leste, que ligará o Porto de Ilheus (BA) até a Ferrovia Norte-Sul.
 
"Como construir ferrovias em cenário de restrição fiscal? Temos uma ideia. E essa estratégia busca viabilizar o que pode ser nosso maior legado: a cruz ferroviária brasileira (Norte-Sul, FIOL e FICO), criando três saídas, Itaqui, Ilhéus e Santos, para toda produção do nosso interior”, explicou o ministro.
 
De acordo com a assessoria de imprensa de Wellington, o modelo a ser usado para levar os trilhos da FICO até Lucas é o mesmo da implantação do primeiro trecho da ferrovia, viabilizada a partir da renovação das concessões da Ferrovia Vitória-Minas, e Carajas, operadas pela Companhia Vale.
 
Com isso, a Vale destinará R$ 2,73 bilhões ao fundo destinado à construção da FICO. Com o adiantamento do projeto básico e o processo de licenciamento ambiental, as obras da ferrovia devem começar em 2021.

Este primeiro trecho da Ferrovia de Integração do Centro-Oeste terá 383 quilômetros de extensão, conectando a região da BR-158, no Vale do Araguaia em Mato Grosso à Ferrovia Norte-Sul, em Goiás.
 
Wellington afirma que essa ferrovia "será um grande passo para interiorizar o desenvolvimento", se constituindo '"em mola motriz ao crescimento de nosso Estado, e irá reduzir custos até os portos, para exportarmos com mais competitividade".

Dentro da Frenlogi, segundo o senador, existe um consenso de que é preciso investir energias para viabilizar o modal ferroviário no Brasil. "Diante das estradas abarrotadas é importante construir a intermodalidade do transporte no país. Nesse sentido nós acreditamos muito no setor ferroviário" – disse o parlamentar mato-grossense. 
 
Além da Fico, Mato Grosso deverá se beneficiar, a curto e médio prazo, com mais dois projetos ferroviários: o primeiro leva os trilhos da Ferronorte, atualmente em Rondonópolis, até Cuiabá, seguindo também para o Norte do Estado; o segundo é o projeto da Ferrogrão, que liga Sinop até os portos do Arco Norte da Logística, em Miritituba, onde se conectará ao modal hidroviário até Santarém (PA).
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet