Olhar Agro & Negócios

Segunda-feira, 28 de setembro de 2020

Notícias / Emprego

Região metropolitana volta a gerar empregos na pandemia; veja dicas para reinserção no mercado de trabalho

Da Redação - Fabiana Mendes/Bruna Bom

30 Ago 2020 - 15:00

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

Região metropolitana volta a gerar empregos na pandemia; veja dicas para reinserção no mercado de trabalho
A pandemia do coronavírus afastou 149 mil pessoas do trabalho em Mato Grosso em maio deste ano. Esse número representa 9,7% do total da população ocupada, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A gerente de captação de vagas do Sine Municipal, Jaqueline de Arruda disse que a Capital voltou a gerar empregos. Na ocasião, deu algumas dicas para quem tenta uma reinserção no mercado de trabalho.

Leia mais:
Mato Grosso teve 149 mil pessoas afastadas do trabalho por conta da pandemia

Segundo ela, é importante que o candidato tenha a qualificação conforme perfil da vaga de emprego. “Tudo depende de cada vaga e de cada empresa. Tem empresa que não pede experiencia e outras pedem”, afirmou.

Para ter sucesso na hora de buscar emprego, alguns pontos são importantes: “A princípio chegar no horário. Tentar controlar o nervosismo, ansiedade, porque muitas vezes a pessoa tem o perfil para a vaga, mas acaba perdendo porque não conseguiu mostrar que tem a habilidade para a função. Um currículo bem apresentando, com todos os cursos que vem fazendo, para que fique atrativo”, afirmou.

O candidato que busca um emprego poderá ver também que o processo de seleção em algumas empresas mudou. Muitas adotaram as entrevistas por videoconferência para evitar aglomeração. Isso pode ser um ponto positivo, conforme a profissional. 

“Essa modalidade, para muitas pessoas é melhor. Você fica com um contato menor direto com o entrevistador. Você está no quarto, mais preparado para responder, de repente tem uma colinha pra ler, o que traz mais tranquilidade. Em casa não tem acesso a muitas pessoas, não vê que tem muitos candidatos concorrendo a vaga”, acrescenta.

“A videoconferência ajudou também no custo-benefício para a empresa e o trabalhador. Muitas pessoas não tem dinheiro para ir até a empresa. E a empresa geralmente tinha que arrumar uma sala, preparar café. Os dois lados ganharam com essa nova forma”, afirma.

Para quem está sempre conectado na internet, é importante lembrar que as redes sociais se tornaram um meio para divulgação de vagas. A gerente de captação do Sine confirmou que quando há um processo de seleção no Sine Municipal, a divulgação acaba sendo satisfatória quando adotada de maneira online. 

“Para nós ajudou muito e ajuda até hoje. Quando a gente faz uma planilha de vagas, divulgamos no site da Prefeitura, todo mundo tem acesso. Dali uma pessoa já manda para a família, para o amigo. Tem mais visibilidade para maior empregabilidade”, argumentou.

Ainda sobre redes sociais, Jaqueline acredita que é importante o candidato passar a imagem de quem ele realmente é. Claro, com bom senso.  “Tem que ser o ‘eu mesmo’. A empresa quer saber se você demonstra realmente ser família ou mais noite. Isso não quer dizer que você não seja um bom profissional, mas temos que ter um certo cuidado. Não é que vamos omitir o que a gente é ou fingir, mas tem que ter uma postura mais amenizada. Ainda mais se é um cargo de muita responsabilidade.  Tem que ser você, mas com noção do que é correto e do que não é”, esclareceu.
 
A expectativa de geração de empregos é boa. Nos últimos dois meses, por exemplo, a gerente observou um aumento de oportunidades, principalmente na área de construção civil. “A área está com muitas vagas para ajudantes de obra, pedreiro”, afirma a gerente, que ressalta a importância de manter os dados atualizados nos postos do Sine. Além da construção civil, surgiram muitas vagas nas as áreas de mecânicas de veículos, marcenaria, vendas e alimentação.  

Jaqueline conta que o trabalho do Sine é como de uma formiguinha. Contudo, tem resultado satisfatório. Recentemente, por exemplo, atendeu um homem que ficou emocionado ao receber a ligação informando sobre duas entrevistas que ele poderia participar. O candidato a vaga de pedreiro afirmou que não tinha esperança neste momento.  

“A gente fica muito feliz porque ele estava desempregado e sem esperança de arrumar emprego. A gente nunca sabe a situação da pessoa e deu resultado”, comentou. 

Sobre estágios para alunos de ensino superior, a gerente diz que estão reduzidas, mas quando abrem, normalmente são para áreas jurídicas ou de engenharia. O Sine Municipal não atende candidato a menor aprendiz.

Várzea Grande 

Várzea Grande abriu 85 vagas de emprego com carteira assinada em julho. Isso significa uma sequência de dois meses positivos, conforme dados do novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Novo Caged), divulgado pelo Ministério da Economia. Esse saldo de julho é resultado de 1.426 admissões registradas no 2º maior município de Mato Grosso contra 1.341 desligamentos. Os novos postos de trabalho criados representam uma variação relativa de 0,20%.

No dia do aniversário, VG passa a ser a cidade com o maior número de mortos  por coronavírus em MT :: Notícias de MT | Olhar Direto

São números bem parecidos aos registrados em março, quando os reflexos da pandemia de Covid-19 ainda não tinham atingido a economia e o mercado de trabalho de forma tão acentuada.  Naquele mês, o saldo foi de 98 novos postos de trabalho criados, diante de 1.885 contratações e 1.787 demissões. 

Em junho, os números também foram positivos em Várzea Grande que registrou 1.708 admissões e 1.245 desligamentos. Isso gerou um saldo de 463 novos empregos, com variação de 1,09% mostrando que aos poucos a economia vem dando sinal de retomada, mesmo com a pandemia da Covid-19, que sinaliza um pequeno recuo ao longo dos últimos dias.

O presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Várzea Grande (CDL-VG), David Pintor analisa que o resultado positivo no saldo de empregos se deve ao fato da reabertura do comércio. “Com as empresas em pleno funcionamento, o comércio necessita de trabalhadores. Então as demissões que haviam sido feitas devido a pandemia, se convertem em contratações”, pontua David.

Ele ressalta que a economia também será movimentada no último quadrimestre do ano, já que todos os meses são marcados com datas promocionais.

“Em setembro temos a Semana do Brasil, com liquidações de até 70% de desconto, em outubro é comemorado o Dia das Crianças, novembro entra o ‘Black Friday’, e dezembro já temos o natal”, disse David.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet