Olhar Agro & Negócios

Quarta-feira, 27 de maio de 2020

Notícias / Geral

Concessionárias registram queda de 45% nas vendas em Mato Grosso

Da Redação - Érika Oliveira

11 Mai 2020 - 15:05

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Concessionárias registram queda de 45% nas vendas em Mato Grosso
Balanço da Federação Nacional de Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) mostrou uma queda de 45,28% no comércio de veículos novos em Mato Grosso, no comparativo com o mesmo período do ano passado. A entidade alerta que o impacto do coronavírus no setor automotivo vai muito além da diminuição das vendas. Isto porque a redução das importações e a redução de produção de uma maior variedade de modelos também preocupam, porque colocam o estoque de peças e acessórios em risco.
 
Leia mais:
Durante pandemia, comércio de bebidas e fumo tem aumento de 4% no faturamento
 
"Estamos com uma semana e meia de reabertura das lojas em Cuiabá, um de nossos maiores pontos de vendas, e o momento é de avaliar estoques e alternativas não para recuperar vendas, mas para manter as lojas em funcionamento. Ainda é muito difícil falar sobre como será a retomada. A situação das concessionárias é bastante crítica. Vamos avaliar os estoques que normalmente duram no máximo 60 dias", avaliou Paulo Boscolo, diretor da Fenabrave - Regional Mato Grosso.
 
Conforme a Fenabrave, em abril deste ano foram emplacados 5.173 veículos em Mato Grosso. Já em abril de 2019 foram emplacados 9.453 unidades de automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, implementos rodoviários e outros.
 
Comparando abril de 2020 com abril do ano passado, a redução é alarmante para o setor. Ocorreu queda relevante nas vendas em todos os segmentos. No segmento de automóveis e comerciais leves a queda é de 40,75%. Para caminhões e ônibus, a baixa é de 52,39%. Para motos, o percentual de redução é de 50%. O segmento de implementos rodoviários caiu 34,43%.   
 
Na opinião de Boscolo, o mês de maio será decisivo para reavaliar as projeções do ano e para o empresário já ter ideia de todos os reajustes que terá de fazer para manter a operação das lojas com o menor custo possível.
 
"Nesse primeiro momento, as concessionárias priorizaram a folha de pagamento e contratos com fornecedores, cortando tudo que deixa de ser essencial na operação. Ações governamentais são poucas e de mínimos impactos. Junto às montadoras, cada uma com sua política, o setor teve alongamento de prazos para pagamento do estoque, por exemplo, o que não nos parece suficiente", explicou.
 
 

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Landolfo
    14 Mai 2020 às 11:13

    Na realidade teremos uma, denominada depressão, ou seja, os preços em geral cairão cerca de 30% a 40% por cento e ainda assim as vendas não retornarão aos patamares atuais, isso pode levar cerca de 3 a 5 anos...dependendo da mudança de comportamento dos consumidores...Já viram quantos carros tem nas revendas de usados? Significa que muita gente vai perder muito dinheiro.....

  • luiz
    12 Mai 2020 às 18:27

    As vendas de carros cairam, mas os preços aumentaram, alguém explica ??? Brasillll

  • José Maria Neves
    11 Mai 2020 às 17:22

    É bom ver empresários capitalistas gananciosos também sofrerem com coronavirus. O mundo já mudou. Aceitem a nova ordem.

Sitevip Internet