Olhar Agro & Negócios

Terça-feira, 07 de abril de 2020

Notícias / Geral

Frigoríficos reduzem efetivo e sindicato recomenda férias coletivas por prevenção contra coronavírus

Da Redação - Vinicius Mendes

17 Mar 2020 - 15:13

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

Frigoríficos reduzem efetivo e sindicato recomenda férias coletivas por prevenção contra coronavírus
Frigoríficos de Mato Grosso têm tomado medidas para se prevenir contra a proliferação do coronavírus em Mato Grosso. O Sindicato das Indústrias de Frigoríficos do Estado de Mato Grosso (Sindifrigo) emitiu um comunicado com recomendações aos frigoríficos do Estado no combate à pandemia, entre elas a diminuição de horas de trabalho e férias coletivas. O Olhar Agro & Negócios apurou que plantas frigoríficas do interior do Estado já reduziram o número de funcionários por turno e concederam férias a outros.
 
Leia mais:
Prefeitura pede bom senso de empresários e não descarta fechar bares e boates compulsoriamente
 
Ao Olhar Agro & Negócios a JBS afirmou que “vem monitorando os reflexos do mercado em relação ao COVID-19 e avalia a implantação de férias coletivas exclusivamente em algumas das suas unidades de processamento de bovinos no Brasil”. A Marfrig ainda não emitiu um posicionamento oficial, mas as unidades em Mato Grosso seguem com seu funcionamento.
 
Conforme apurado pela reportagem, no entanto, em uma planta da JBS, no município de Alta Floresta, cerca de 110 funcionários entraram de férias e o número de abates diminuiu. A unidade vai atuar com efetivo reduzido.
 
O Sindifrigo emitiu um comunicado nesta terça-feira (17) dizendo que “cabe a cada empresa, dentro de suas condições, encontrar a fórmula para adaptar-se às novas contingências do mercado”. O sindicato recomendou redução das horas trabalhadas, alternância dos dias de abate, diminuição de turnos, e férias coletivas.

A BRF, por meio de nota, afirmou que desde o começo do surto de coronavírus tem tomado medidas e acompanhado o caso. A empresa afirmou que foi determinada a restrição do acesso de visitantes, suspensão de viagens internacionais, entre outras medidas, como oferecimento de acompanhamento de saúde a funcionários e seus familiares.

Leia a nota da BRF na íntegra:

A BRF informa que não possui nenhum caso confirmado de coronavírus (Covid-19) entre os colaboradores de sua planta do Mato Grosso, que está em pleno funcionamento. A Companhia já implementou uma série de medidas preventivas para assegurar a saúde e segurança das pessoas envolvidas em seu contexto operacional.

A empresa reitera que desde o início do surto possui um Comitê Permanente de Acompanhamento Multidisciplinar formado por executivos e especialistas renomados, incluindo da área de infectologia. A BRF possui, ainda, um plano de contingenciamento para garantir o abastecimento e atendimento da demanda da população por alimentos no Brasil e no mundo. Entre as medidas adotadas pela empresa estão:

- restrição de acesso de visitantes a todas a suas unidades produtoras e centros de distribuição;

- intensificação de campanha interna de conscientização sobre hábitos de higiene e prevenção de doenças respiratórias;

- suspensão de viagens internacionais e com destino e origem nos estados que possuem casos confirmados de Coronavírus;

-  restrição de participação em eventos com grandes aglomerações de pessoas em cidades onde já foram confirmados casos da pandemia;

- acompanhamento da área de saúde ocupacional e serviço de orientação médica na eventualidade de algum colaborador ou familiar apresentar os sintomas relacionados ao surto de Coronavírus (coriza, tosse, dor de garganta e febre) ou tenha tido contato com alguém com suspeito de contaminação.

 
Leia a nota do Sindifrigo na íntegra:
 
Em decorrência das incertezas do mercado e da diminuição drástica das vendas, se impõem medidas urgentes por parte da indústria frigorífica de MT.
 
Não há uma fórmula mágica ou matemática para uma realidade ainda desconhecida. Cabe a cada empresa, dentro de suas condições, encontrar a fórmula para adaptar-se às novas contingências do mercado.
 
Reduzir as horas trabalhadas, alternar dias de abate, diminuir turnos, oferecer férias coletivas ou qualquer outra medida deverá ser buscada.
 
O momento requer atenção dobrada com as necessidades de manter a saúde financeira das empresas, ter responsabilidade social com nossos funcionários e manter os empregos, preservando ao máximo o preço de nosso produto final com o melhor preço possível de nossa matéria-prima, além de uma preocupação com o abastecimento à população. Contamos com entendimento e com a parceria de produtores para encontrarmos a melhor saída. Precisamos preservar os valores justos e dignos de nossos produtos.
 
Estaremos abertos ao diálogo, atentos aos movimentos do mercado e nos adaptando a ele, tomando as medidas necessárias para cruzarmos este delicado momento.
 
Acreditamos com certeza que, em pouco tempo, retornaremos nossas atividades à normalidade.



Atualizada às 16h05.

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • desconfiado
    20 Mar 2020 às 12:25

    e o risco de desabastecimento ou de aumento de preço isso não foi levado em consideração.?

  • Luiz Antônio Pagot
    20 Mar 2020 às 11:03

    O Governo deve intervir, isto não pode acontecer, varias plantas estão fechando. Deve ser adotado medidas que protejam o trabalhador e que mantenham a produção pra não gerar desabastecimento. Pagot.

  • Moacir
    17 Mar 2020 às 20:01

    Acho que estariam mais protegidos no trabalho do que na rua

Sitevip Internet