Olhar Agro & Negócios

Domingo, 29 de março de 2020

Notícias / Geral

Companhias de baixo custo passam a cobrar por bagagem de mão

Da Redação - Fabiana Mendes

05 Fev 2020 - 16:13

Foto: Reprodução / Internet

Companhias de baixo custo passam a cobrar por bagagem de mão
As companhias aéreas de baixo custo (low cost) chegaram há pouco tempo ao Brasil cobrando mais barato pelas passagens. No entanto, todos os serviços adicionais são cobrados, até mesmo o transporte da bagagem de mão de até 10kg, que são levadas em cima do assento. Agora, os passageiros só podem levar uma mochila, que deve ser transportada embaixo da poltrona da frente.
 
Leia mais:
Aeroporto de Cuiabá deve receber autorização para voos internacionais até março

De acordo com a matéria da Uol, a Norwegian cobra R$ 42,95, enquanto o preço para levar uma mala de mão na JetSmart varia de acordo com o momento da compra, disponibilidade, data de voo e rota, podendo chegar a mais de R$ 140. Na rota de Salvador a Santiago durante o Carnaval, o preço para uma mala de mão na JetSmart era de R$ 143.
 
Ainda conforme a reportagem, a chilena JetSmart opera voos de Salvador (BA) e Foz do Iguaçu (PR) para Santiago (Chile) e em março inicia a rota entre São Paulo e Santiago. As tarifas da companhia dão direito apenas a uma mochila com tamanho máximo de 45 centímetros de altura, 35 centímetros de largura e 25 centímetros de profundidade para ser colocada embaixo do assento.
 
Atualmente, três companhias de baixo custo atuam no Brasil. Na época das discussões sobre o tema, o diretor Presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), José Ricardo Botelho, defendeu a manutenção da Resolução nº 400, de 13 de dezembro de 2016, que dispõe sobre as Condições Gerais de Transporte Aéreo (CGTA). “Só a concorrência permite incluir mais cidadãos no transporte aéreo público”, disse.
 
A Anac afirmou que a prática é considerada legal e está de acordo com a resolução 400, que trata de direitos e deveres dos passageiros. "Conforme a Resolução n° 400 da Anac, o transportador deverá permitir uma franquia mínima de 10 quilos de bagagem de mão por passageiro de acordo com as dimensões e a quantidade de peças definidas no contrato de transporte. Ou seja, não há irregularidade no que está sendo praticado pelas empresas, tendo em vista que são elas as responsáveis por definir as dimensões da bagagem de mão", afirmou a agência.

5 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Zefernades
    06 Fev 2020 às 11:26

    "Companhias de Baixo Custo" baixo custo só para as companhias. Daqui a pouco vão cobrar taxa para usar o banheiro do avião!

  • andre
    06 Fev 2020 às 10:15

    VCS NÃO QUERIAM O LIBERALISMO, O CAPITALISMO? ENTÃO TOMA, SEUS POBRES DE DIREITA

  • PRIME
    06 Fev 2020 às 09:07

    BOM DIA! Mais ROUBALHEIRA sem "motivo".

  • Passageiro
    05 Fev 2020 às 23:39

    Não é atoa que as passagens estão cada vez mais caras, além de cobrar pelas bagagens e o que for consumir abordo.

  • Lucas
    05 Fev 2020 às 18:20

    Pota queo pareu, querem arrancar dinheiro da aonde for. Tão sem noção já!

Sitevip Internet