Olhar Agro & Negócios

Terça-feira, 17 de setembro de 2019

Notícias / Agronegócio

Setor do agro inova ao investir em instituto que promove a cultura de conhecimento no Estado

Da Redação - Vinicius Mendes

10 Set 2019 - 08:50

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

Setor do agro inova ao investir em instituto que promove a cultura de conhecimento no Estado
Letícia Scheffer, Aline Bortoli, Gislayne Scheffer, Nayara Scheffer e Kleidimara Pessoa cresceram na fazenda, vendo de perto o que acontece no agro. Motivadas pelo que classificam como crise de “desinformação generalizada”, e por acreditarem nos benefícios de uma aproximação com escolas e universidades, principais fontes de pesquisa no Brasil, decidiram fundar o Instituto Farmun. 

Leia mais:
Mato Grosso é o segundo Estado com maior valor de produção agrícola

Atuando em diversos eixos, o Instituto busca levar a realidade do agronegócio para a sociedade, compartilhando seus desafios, avanços e oportunidades para assim seguir para a próxima geração do setor Brasil. 

De acordo com Letícia Scheffer, o Instituto “surgiu com o sonho da segunda geração, de trazer a nova realidade do agro à tona, uma verdade que muitas pessoas ainda não tiveram nem a oportunidade de conhecer, de um setor que não para de evoluir”.

Todas as cinco fundadoras do Farmun fazem parte da segunda geração de suas famílias que está envolvida com o agronegócio. Elas reconhecem que existem desafios no setor, e buscam aproximar a sociedade e a pesquisa para avançar e gerar mais conhecimento. 



“O agro trouxe uma relevância econômica para nosso estado, chegou a hora de deixar um legado cultural”, disse Aline Bortoli.

O Farmun foi fundado em abril deste ano e já conseguiu formar algumas parcerias, como com a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secitec), e também com a AgroBravo, Bom Futuro, Scheffer Agrobusiness, Aprosoja, Ampa e Agroligadas.

Uma das primeiras ações será o Agroday, na próxima sexta-feira (13), que pretende impactar 100 pessoas, na sua maioria professores do ensino fundamental de escolas estaduais, e consequentemente 5 mil pessoas da comunidade escolar. A ação pretende proporcionar o contato dos professores com a realidade profunda de uma fazenda.

O evento faz parte de umas das atividades da parceria com a Secitec. “É o primeiro passo para que os professores consigam mentoriar com mais propriedade os trabalhos de feira de ciências que serão realizados sobre esse tema nessas escolas", disse Letícia.

Outros pilares do instituto serão: resgate histórico do agro (museu); fóruns de conhecimentos e investimento social de impacto (através da união de mais parceiros).

“Estamos falando de uma nova fase do agro do Brasil, em que junto com a sociedade podemos ir ainda longe”, concluiu Gislayne.

6 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • JOÃO MANÉ
    11 Set 2019 às 21:34

    RIDÍCULO

  • Rai Borges
    10 Set 2019 às 12:37

    Com esses sobrenomes aí quero ver não conseguir parcerias do estado e das entidades. Queria ver chamar os filhos dos agricultores familiares, dos assentamentos para fazer parte do MEGA PROJETO.

  • Ildefonso
    10 Set 2019 às 11:54

    Qual Estado?

  • Gustavo Bongiolo
    10 Set 2019 às 10:10

    Excelente iniciativa! Parabens!

  • Pedro
    10 Set 2019 às 09:52

    Podiam passar algum contato para quem quisesse ajudar na empreitada

  • Chico Bento
    10 Set 2019 às 09:29

    Parabéns a essas jovens pela iniciativa.

Sitevip Internet