Olhar Agro & Negócios

Terça-feira, 17 de setembro de 2019

Notícias / Economia

Projeto que inclui microempresas em programa de recuperação de crédito é aprovado na ALMT

Da Redação - Thaís Fávaro

21 Ago 2019 - 15:12

Foto: Rogério Florentino/ Olhar Direto

Projeto que inclui microempresas em programa de recuperação de crédito é aprovado na ALMT
A Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) aprovou na semana passada o substitutivo integral ao projeto de lei 2016/2018, de autoria do deputado Dilmar Dal Bosco (DEM), que altera a lei 10.579/2017 para incluir as microempresas no Regularize, o Programa de Recuperação de Créditos que permite o pagamento de juros das multas e penalidades com descontos de até 95%. O projeto agora só precisa ser sancionado pelo governador Mauro Mendes (DEM).

Leia mais
Prefeitura de Cuiabá entrega R$ 92 mil em premiações da Nota Cuiabana 
 
Pela nova redação, os juros das multas e penalidades podem ter desconto de 95% para pagamento em cota única, de 90% no pagamento parcelado em 24 vezes, de 75% no parcelamento em 36 meses, de 50% em 48 meses, de 40% em 60 meses e de 30% na divisão em 72 parcelas.

O deputado Dilmar Dal Bosco explicou que o substitutivo foi apresentado para corrigir uma falha ao não incluir as microempresas no Programa Regularize e para atender às necessidades de um segmento que corresponde a aproximadamente 95% das empresas cadastradas em Mato Grosso e que no Brasil emprega cerca de 60% da mão de obra.

"Apresentamos o substitutivo em nome do principio constitucional da isonomia tributária, uma vez que foi estabelecido tratamento jurídico diferenciado para as médias e grandes empresas decorrentes do Programa Regularize", explicou.

O presidente dos sindicatos das Micro e Pequenas Indústrias do Estado (Simpi) e das Micro e Pequenas Empresa do Comércio e Serviços (Simpec), João Carlos Laino, comemorou a aprovação e disse estar confiante na sanção do governador Mauro Mendes, que segundo ele, já tem compromisso firmado com o setor.

"Estranho era as microempresas não estarem na lei anteriormente. Elas são as que mais precisam deste tipo de ajuda neste momento para se viabilizarem economicamente. É a microempresa que faz a maior parte da distribuição de renda por meio dos empregos que gera e que leva os produtos, por meio da sua logística, aos pontos mais distantes. A aprovação desta lei é um oxigênio para as empresas continuarem a funcionando neste momento de crise e isso é vital para o Estado", avaliou.
 

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Pagador de Impostos
    22 Ago 2019 às 12:45

    POIS ´É QUANTO ATRASO E PREJUÍZO ÁS PEQUENAS EMPRESAS E MICRO QUE GERAM TANTO EMPREGO , VOCES DEVERIAM TRABALHAR MAIS PELO POVO !

Sitevip Internet