Olhar Agro & Negócios

Sábado, 14 de dezembro de 2019

Notícias / Economia

Consumidor mato-grossense está preocupado com aumento de preços, diz pesquisa

Da Redação - Vitória Lopes

21 Abr 2019 - 09:34

Foto: Divulgação

Consumidor mato-grossense está preocupado com aumento de preços, diz pesquisa
Um estudo realizado pelo Procon Estadual neste mês aponta que os consumidores estão atentos e preocupados com o aumento de preço dos produtos. Realizado pela Coordenadoria de Relacionamento com os Municípios e Educação para o Consumo, o estudo aplicou questionários entre os dias 01 e 13 de abril, 50% daqueles que responderam à pesquisa presencial realizada no órgão afirmaram que “não decidiram” ou “não vão comprar ovos ou produtos de chocolate na Páscoa deste ano”.

Leia mais:
Quilo do tomate chega a custar R$ 10 em Cuiabá; inflação nas hortaliças sobe


Foram 203 formulários online e 60 presenciais (na sede do Procon-MT). O objetivo foi conhecer as intenções de compra do consumidor neste período e sondar a existência de planejamento do orçamento familiar.

Pela pesquisa presencial, 40% não pretendem comprar e 10% não decidiram. Já no formato online, 29,4% dos consumidores afirmaram que não pretendem comprar ovos de páscoa ou produtos de chocolate, enquanto que a indecisão é apontada por 17,9%.

Nos dois formatos da pesquisa o consumidor manifesta que a baixa intenção de consumo está ligada aos altos preços dos chocolates. Na entrevista presencial, 41% afirmam que não vão comprar porque está muito caro e 29% dizem que tem outras prioridades. Já na pesquisa online esse valores se invertem: 44 % dizem ter outras prioridades e 39% alegam que está muito caro.
 
O trabalho da Coordenadoria de Educação para o Consumo também demonstrou que o consumidor não está disposto a gastar muito nesta Páscoa. Para 61% dos entrevistados presencialmente, o valor máximo para gastos com chocolates é de R$ 50.
 
O estudo conclui que esses indicadores refletem a recessão econômica pela qual passa o Brasil. Fica claro na pesquisa que os consumidores estão priorizando o pagamento de contas mensais, como água, luz, aluguel e cartão de crédito, o que demonstra a diminuição do poder de compra dos cuiabanos.

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • AVANÇA LOGO MT
    25 Abr 2019 às 12:30

    NÃO HÁ INDUSTRIAS PORQUE OS IMPOSTOS SÃO MUITO ALTOS ,INVIÁVEL SR MAURO MENDES, FAÇA CONCESSÕES DE ENERGIA URGENTE E ABAIXE OS IMPOSTOS PARA GERAR EMPREGOS

  • Dá-lhe Bozo
    21 Abr 2019 às 18:35

    Sei não, acho que o Taques tava certo quando ficou 04 anos dizendo "culpa do governo anterior!", ou seja, tudo culpa do PT....kkkkkk

  • Mulher ma
    21 Abr 2019 às 16:51

    Sobe tudo E nao sobe o salario minimo Pra quem ganha 1 salario minimo Tem que fazer magica todo mes!! E so agora descobriram isso?

Sitevip Internet