Olhar Agro & Negócios

Domingo, 26 de maio de 2019

Notícias / Economia

Falta de guias para transporte em Mato Grosso paralisa mais de 100 carretas e R$ 2 milhões em cargas

Da Redação - Wesley Santiago

26 Dez 2018 - 12:04

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Falta de guias para transporte em Mato Grosso paralisa mais de 100 carretas e R$ 2 milhões em cargas
Um problema com a emissão de documentos para o transporte de madeira em Mato Grosso, que completa o seu sétimo dia nesta quarta-feira (26), está trazendo diversos prejuízos a empresários do setor, que vão desde a arrecadação de ICMS até sanções contratuais por atraso, além do custo de manter a carga parada.

Leia mais:
Trecho de rodovia pedagiada vira lamaçal e população cobra celeridade de empresa e Sinfra
 
Desde quinta-feira passada (20) não se emite a Guia Florestal (GF), documento que complementa a nota fiscal e é obrigatório para o transporte da madeira. O problema está em uma falta de sincronia entre os sistemas das secretarias de Fazenda (Sefaz) e Meio Ambiente (Sema) e também do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama).
 
Por conta do fato, mais de 100 carretas estão paradas, dependendo apenas deste documento para seguir viagem. Apenas na região de Alta Floresta, são 50 carretas em espera desde o dia 20, com R$ 2 milhões em cargas paradas.
 
De acordo com o vice-presidente do Sindicato dos Madeireiros do Extremo Norte de Mato Grosso (Simenorte-MT), Frank Rogieri de Souza, não foram feitos novos carregamentos justamente em função do problema. Parte dos motoristas foi embora de ônibus para passar o Natal com a família. Outros permanecem no local. O custo desses dias parados é dos empresários, bem como as sanções contratuais. “Nossos compromissos de entrega de mercadoria vão sofrer penalizações. Temos exportações, agendamento em porto, em galpões, inspeções, nada disso vai ser cumprido”, destaca.
 
Frank afirma que esse tipo de problema é histórico, com esclarecimentos escassos sobre causas e previsões de solução. "Entendemos que a situação atual envolve também os órgãos ambientais, mas não podemos ficar reféns de mudanças de sistema mal planejadas. O governo está sendo desrespeitoso com quem trabalha e arrecada impostos”, desabafa. “Sem contar a dificuldade de caixa enfrentada pelo próprio governo. É incompreensível que se permita tanto atraso na arrecadação de qualquer recurso numa situação como essa”.
 
A Federação das Indústrias no Estado de Mato Grosso (Fiemt), à qual o Simenorte é filiado, acompanha a situação desde que foi informada sobre o problema, na sexta-feira, e apoia o sindicato na busca de informações e solução. Para o presidente da Fiemt, Gustavo de Oliveira, a demora em normalizar a emissão das guias é muito preocupante, pois paralisa um segmento industrial inteiro. “A economia do estado sofre com isso, tanto pela falta da arrecadação quanto pelo prejuízo aos empresários da indústria de base florestal, que vão arcar com diversos custos não previstos e estão sujeitos a multas contratuais, tanto para as transportadoras quanto para clientes. Trata-se de problema recorrente e a Fiemt vai cobrar uma solução definitiva do governo”, afirma.
 
A Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) informou que o Sisflora (sistema de gestão florestal) está fora do ar devido a uma falha na integração com o sistema do Ibama para emissão do DOF (Documento de Origem Florestal).
 
“Desde a última sexta-feira (19) analistas da Sema trabalharam na atualização do sistema com os novos endereços enviados pelo Ibama, mas o erro persiste. A equipe da Coordenadoria de Tecnologia da Informação está empenhada em regularizar a situação o mais breve possível”, aponta trecho da nota. Uma resolução deve ser dada até esta tarde.

Outro lado

O Governo de Mato Grosso, por meio das secretarias de Estado de Meio Ambiente (Sema) e de Fazenda (Sefaz), informa que a comunicação entre o Sisflora e o sistema do Ibama já foi reestabelecida. Os programas estão funcionando normalmente e usuários já podem emitir as guias florestais.

Para fins de publicidade e transparência, informamos que a falta de sincronia entre os sistemas teve início na última sexta-feira (21) devido a uma alteração realizada pelo Ibama nos links para recebimento das informações que geram o Documento de Origem Florestal (DOF). A Sema recebeu os novos endereços no sábado (22) pela manhã e desde então iniciou o trabalho remoto para atualização dos dados no Sisflora.

Em novo contato com a Superintendência de Tecnologia do Ibama, na manhã desta quarta-feira (26), as equipes de tecnologia da informação da Sema e da Sefaz se mobilizaram para solucionar o problema, publicando uma nova versão do Sisflora.

Informamos ainda que será criada uma força-tarefa entre Sema, Sefaz e Ibama para atuar na prevenção, evitando que problemas como este não ocorram no futuro.

4 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Olavo
    27 Dez 2018 às 12:17

    só mentira desse desgoverno, sistema da sefaz está intável, não abre diversos links, e quem é prejudicado é as empresa, por que indenizar o prejuízo esse governo não quer né...irresponsáveis.

  • Bainho
    26 Dez 2018 às 15:47

    Esse é o Mato Grosso de sempre! Está difícil viver aqui. Onde estão os servidores que tanto pedem aumento de salários? Os responsáveis por esse setor devem ser penalizados!

  • CHIRRÃO
    26 Dez 2018 às 15:42

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Gilmar
    26 Dez 2018 às 12:46

    A incompetência deste governo, foi do início ao fim.

Sitevip Internet