Olhar Agro & Negócios

Quarta-feira, 28 de outubro de 2020

Notícias / Agricultura Familiar

Após greve dos caminhoneiros, batata fica 200% mais cara em Cuiabá

Da Redação - Érika Oliveira

31 Mai 2018 - 09:05

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Após greve dos caminhoneiros, batata fica 200% mais cara em Cuiabá
Um levantamento realizado pelas Secretaria Estadual de Agricultura Familiar e Assuntos Fundiários (Seaf), Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer) e Prefeitura de Cuiabá esta semana mostraram que o preço da batata subiu 212% na Capital, após a greve dos caminhoneiros, encerrada na última quarta-feira (30). A paralisação, a nível nacional, durou 10 dias e elevou o preço de pelo menos 40 itens nos supermercados e feiras.

Leia mais:
Mercados e Feira do Porto sofrem falta de frutas e verduras; quilo do tomate chega a R$ 25,90

“Aqueles produtos que são produzidos em sua maioria pela agricultura familiar, e em grande abundância na Baixada Cuiabana, como a mandioca, banana, laranja, melancia e o abacaxi, não tiveram aumento e nem tiveram escassez no comércio”, explicou o engenheiro agrônomo da Seaf, Luiz Henrique Araújo, um dos responsáveis pela cotação de preço.

Os itens que mais subiram, segundo Luiz Henrique, foram justamente aqueles que vêm de outros estados, como o tomate – que teve aumento de 114% -, sendo a maioria vinda dos estados de Goiás e São Paulo, e a batata, sendo grande parte produzida na região sul e sudeste do País.

Conforme a Seaf, dos 69 itens pesquisados, 40 deles tiveram alta nos preços em um período de uma semana. O tomate e a batata lisa foram os itens que mais subiram de preço no comércio atacadista. Em seguida aparecem quiabo, abobrinha, jiló, pimentão, quiabo e a cebola.

O tomate era vendido a R$ 70 a caixa de 20 quilos, na semana passada. Ontem o valor era de R$ 150. Já a batata custava R$ 80 a saca com 50 quilos na terça passada. Uma semana depois ela está sendo vendida a R$ 250.

A expectativa é que ao longo da próxima semana, com o abastecimento começando a se normalizar com a diminuição da mobilização dos caminhoneiros, os preços dos 40 itens que sofreram aumento voltem ao preço comum no atacado.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet