Olhar Agro & Negócios

Terça-feira, 21 de setembro de 2021

Notícias / Meio Ambiente

"Floresta plantada é recurso natural estratégico para o país", diz Castanheira

Portal do Agronegocio

12 Set 2012 - 18:25

O assessor da Subsecretaria de Desenvolvimento Sustentável da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República (SAE/PR), Fernando Castanheira Neto, abriu o evento falando dos desafios para a construção de uma política nacional para o segmento.

Estratégico - “A SAE viu que a floresta plantada é um recurso natural estratégico para o país, assim como será a água no futuro”, afirmou Castanheira. Além disso, ele lembrou que essa cadeia é um componente chave para o desenvolvimento da economia verde já que é responsável pela redução de carbono, proteção da floresta nativa e combate à ilegalidade. “A sociedade precisa saber que a floresta plantada exerce um fator fundamental na promoção do desenvolvimento sustentável com a recomposição produtiva de áreas degradadas e promovendo o desenvolvimento rural, por exemplo”, afirmou.

Eixos - Para cumprir essa tarefa de propor uma política pública específica para esse segmento, a SAE definiu cinco eixos de trabalho. No campo da informação, o assessor ressaltou a necessidade de estatísticas confiáveis e a atualização de dados que comecem com o inventário florestal até a identificação dos mercados interno e externo para os produtos da cadeia. No eixo econômico-financeiro, os desafios, segundo Castanheira, são adequar as ferramentas já existentes de fomento às características do setor, como o fato de ser uma cultura de longo prazo; atrair novos investidores e inserir o pequeno e médio produtor por meio da extensão rural.

Mercado - Outro foco do trabalho para a construção dessa política nacional apontada pelo assessor está no desenvolvimento de mercado. “É preciso melhorar a imagem do setor, a qualidade da informação e discutir uma política industrial”, avalia. Já na esfera socioambiental, seria necessário melhorar a comunicação com a sociedade, avançar nas discussões sobre barreiras não tarifárias e ampliar o leque de pagamento por serviços ambientais. O último eixo sugerido pela SAE é o normativo e institucional.

Legislação - Segundo Castanheira, os desafios estão em melhorar a legislação para diminuir a burocracia, sem perder a qualidade e o controle; conquistar um tratamento isonômico internacional e rediscutir a questão institucional. “Não podemos ter diversas instituições representativas com visões diferentes sobre o setor. Precisamos de um setor privado mais presente, menos pulverizado e com uma participação mais qualificada”, afirmou. O representante do governo federal defendeu também a inserção de novos atores nesse processo: construção civil, mobiliário, fundos de pensão.

Meta - A meta da SAE é concluir ainda este ano uma análise do cenário setorial em busca de uma visão de futuro com a divulgação de um pacote que engloba aspectos como fomento, tributação e mitigação de riscos.

Cerimônia - A noite de abertura do Congresso contou ainda com a cerimônia oficial da qual participaram o presidente da honra do evento, professor Sebastião do Amaral Machado, o vice-reitor da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Rogério Mulinari, o presidente do Instituto Ambiental do Paraná (IAP), Luiz Tarcísio Mossato Pinto, o assessor da presidência da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), João Arthur Mohr, Otamir César Martins, diretor geral da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado do Paraná (Seab), o diretor executivo da Associação Paranaense de Empresas de Base Florestal (APRE), Carlos Mendes, e o chefe geral da Embrapa Florestas, Helton Damin da Silva.

Parcerias - Para o chefe da Embrapa Florestas, a realização deste Congresso coincide com um momento de retorno das parcerias público-privadas. “Esta é uma oportunidade para alavancarmos o setor. Nesses 21 anos sem a realização do evento, evoluímos para melhor com aumento da produtividade sem comparativos no mundo e no cuidado com as questões ambientais e tecnológicas”, afirmou.

Programação - Com foco no tema “Gestão Florestal: Produção, Conservação e Uso”, o 4° Congresso Florestal Paranaense, que está sendo realizado no Centro de Exposição Cietep, em Curitiba (PR), segue até sexta-feira (14/09). O evento irá contemplar discussões que envolvem política e economia florestal, silvicultura, conservação da natureza, manejo de florestas nativas e plantadas, tecnologia, recursos hídricos, infraestrutura, logística e energia renovável. O Congresso contará também com visitas técnicas de campo e deve reunir mais de 500 pessoas, entre engenheiros florestais, agrônomos, produtores rurais, pesquisadores, estudantes, representantes dos setores privado e público.

Realização - O Congresso é uma promoção da Associação Paranaense de Empresas de Base Florestal (APRE), Associação Paranaense de Engenheiros Florestais (APEF), Embrapa Florestas e cursos de Engenharia Florestal da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Unicentro (Irati) e Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR). O evento conta com patrocínio das empresas Arauco, Berneck, Remasa, Klabin, Pesa, Itaipu Binacional, Pöyry Silviconsult e Valor Florestal, além do Conselho Regional de Engenharia (CREA-PR), Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado do Paraná, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), Instituto Ambiental do Paraná (IAP), CNPQ, BRDE, Copel, Fundação Araucária e Sindimadeira.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui
Sitevip Internet