Olhar Agro & Negócios

Terça-feira, 26 de outubro de 2021

Notícias / Energia

Falta de energia causa prejuízo em granjas de Santa Catarina

Canal Rural

14 Jan 2014 - 13:13

A falta de energia está se tornando um problema corriqueiro em diversas regiões do país. Nas cidades da região norte de Santa Catarina, a situação está complicada. Produtores de tabaco, leite, suínos e aves já não sabem a quem recorrer para evitar perdas. No município de Canoinhas, o produtor rural Moacir Bail perdeu mais de mais de 32 mil aves por falta de energia na granja.

– O meu prejuízo seria de R$ 200 mil ou mais. E não temos seguro. Não podemos ser penalizados com essa falta de energia. E pagamos pela energia – conta Moacir.

Nesta segunda, dia 13, os produtores da região se reuniram em frente à sede da empresa de energia estadual, a Celesc, para pedir providências.

– A Celesc reconhece que o atendimento no planalto norte do Estado não é adequado. Mas temos um conjunto de obras naquela região. Algumas dessas obras ficaram paradas por questões ambientais. Nossa perspectiva é que entre agosto e setembro nós tenhamos o conjunto dessas obras pronto – afirma o presidente da Celesc, Cleverson Siewert.

CARTA DOS AGRICULTORES FAMILIARES DO PLANALTO NORTE DE SANTA CATARINA
Canoinhas,13 de janeiro de 2014.

Em toda região do Planalto Norte está ocorrendo quedas quase diárias de energia,a produção afetada diretamente:fumo, leite, suíno, aves, comércio, agroindústrias familiares e indiretamente toda a agricultura familiar e sua produção está sendo afetada.Existe também queda de energia na cidade.

Não concordamos com a posição que o problema das freqüentes quedas de energia é problema só dos agricultores ou é causado pelo auto consumo de energia nas estufas elétrica.Esta leitura é uma cortina de fumaça e esconde a verdadeira questão,o sucateamento da Celesc e a falta de investimentos.

Os agricultores estão sendo forçados, em função das quedas de energia,a adquirir geradores de energia,em um período de recursos escassos na propriedade,pois a maioria tem um regime sazonal de produção,desta forma contraindo mais dívidas e passando dificuldades por terem que fazer investimentos que não foram planejados,tendo que pagar juros mais altos.Os geradores funcionam no máximo 4 horas depois precisa desligar.

A energia consumida na agricultura familiar é em função da produção.Os agricultores fizeram sua parte,buscaram novas tecnologias,se adequando ao modelo de produção e produtividade.

As empresas integradoras passam toda responsabilidade do trabalho infantil,da questão ambiental,da questão dos agrotóxicos e a questão da energia elétrica está recaindo somente aos agricultores.A responsabilidade social precisa ser assumida por todos os envolvidos na cadeia produtiva.

DIANTE DO EXPOSTO PROPOMOS:

1 - O compromisso do governo de SC, em manter a Celesc publica e de qualidade para todos;

2 - Punição dos responsáveis pelos desvios de recursos na Celesc e mais tranparencia na sua gestão;

3 - Mais investimentos na estrutura das redes;

4 - Investimentos em pesquisa e exploração dos recursos de energias renováveis;

5 - De imediato:Liberação de bolsa gerador, para os produtores de fumo,suínos e aves, sendo: 50% na compra dos geradores e ou disponibilização de geradores na forma de comodato aos produtores por parte do governo do Estado/Celesc e ou empresa integradora.

6 - Investimento imediato para evitar mais prejuízos na safra em curso.

7 - Linha de credito para quem decidir comprar geradores, com a proposta de subsidio;

8 - Ressarcimento dos prejuízos causados pelas quedas de energia elétrica a todos os consumidores prejudicados.

9 - Manutenção do subsidio no preço da energia elétrica para os agricultores familiares.

Agilidade no julgamento das ações impetradas pelos agricultores contar a Celesc prevendo o ressarcimento dos prejuízos causados pelas quedas de energia.

Aguardamos encaminhamentos nestas questões,enquanto permanecemos organizados e moblizados.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui
Sitevip Internet