Olhar Agro & Negócios

Terça-feira, 17 de maio de 2022

Notícias | Tecnologia

produçào de insumos

Carvão mineral vira opção para produzir fertilizantes e reduzir dependência externa

Foto: Reprodução

Brasil importa 75% dos fertilizantes usados na produção agrícola

Brasil importa 75% dos fertilizantes usados na produção agrícola

Presidente da Frente Parlamentar de Apoio ao Carvão Mineral, o deputado federal Afonso Hamm (PP-RS) defende o aproveitamento do carvão mineral como insumo para a produção de fertilizantes com o objetivo de reduzir a atual dependência brasileira com a importação.

Segundo ele, o Brasil busca no exterior cerca de 75% dos nutrientes que usa como adubo. Como a área cultivada com grãos bate sucessivos recordes, safra após safra, a necessidade de importação é cada vez maior.

Leia mais:
Mercado registra alta e volume de fertilizantes entregues já chega a quase 4 milhões
Presidente da CNA defende produção nacional de fertilizantes em fórum do agronegócio

Engenheiro Agrônomo por formação, o parlamentar destaca que o país criou uma verdadeira dependência dos fosforados, como o potássio, e mais recentemente os nitrogenados, tal qual a ureia e o sulfato de amônia.

“O que debatemos é uma política estruturante que é necessária para a geração de produtos e subprodutos, resíduos que garantam a produção de insumos e reduzam a dependência do país em relação aos fertilizantes”, afirma.

Afonso Hamm destaca que o país pode investir em tecnologias próprias para o aumento da produção de fertilizantes, entre elas, a que utiliza o subproduto do carvão.

“Nós devemos fazer como outros países já fazem, que é gaseificar, criando gás de síntese, produzindo amônia e reagindo com enxofre e produzindo a queima do carvão. Isso diminui a poluição, potencializa a produção de um fertilizante nitrogenado, que é o sulfato de amônia. Podemos através da cadeia da geração de carvão mineral aproveitar subprodutos e com esta gaseificação, produzir este sulfato de amônia. Assim vamos produzir mais alimentos, ter fertilizantes mais baratos e reduzir o custo de produção para a cadeia produtiva brasileira”, esclarece.

De acordo com dados da Secretaria de comércio Exterior, as importações de adubos e fertilizantes somaram US$ 4,2 bilhões no primeiro semestre de 2013.

O valor é 31% maior do que o registrado no mesmo período do ano passado e supera em 17% o apurado no primeiro semestre de 2011, quando a entrega total de fertilizantes alcançou o recorde de 28,3 milhões de toneladas no país.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui
Sitevip Internet