Olhar Agro & Negócios

Terça-feira, 18 de junho de 2024

Artigos

A quem interessa o agronegócio?

Ao produtor, exclusivamente, é que não é, convenhamos. Nas últimas décadas, temos presenciado um ataque frequente ao agro pela visão de certos grupos tendenciosos em razão da suposta gana de ganhos sem observância de limites quanto ao meio ambiente, distribuição de renda e por aí vai.

É nítido que vivemos em um modelo econômico capitalista, cujo viés social é bastante arraigado ao modelo político interno, que afeta de maneira geral a adoção de políticas econômicas, digamos mais agressivas e, por consequência, atores que se destacam nesse campo passam a ser vistos de forma equivocada.

No caso do agronegócio não é diferente e, por isso, ante ao volume financeiro que movimenta, é constantemente colocado "na parede" quanto ao que entrega de fato ao país.

Fazendo análise de cada um dos argumentos, inúmeras variáveis se apresentam de forma positiva e negativa e, de alguma forma, o equilíbrio disso acaba sendo um cenário ideal.

Entretanto, a verdade no final de todo o discurso, quando associado à realidade, encerra-se com a constatação de que o Brasil, em grande parte, é um país de economia primária e, se tem representação econômica, deve-se muito ao agronegócio. Além de ser uma das bases de sustentação da economia, o setor é motivo de orgulho pela força que tem, sendo responsável por mais de 20% do mercado mundial do nicho que representa.

Nosso país ocupa lugares de destaque em todas as plataformas e mesas de discussão em que o agro e suas matérias correlatas são temas, como meio ambiente, relações de trabalho, tratados comerciais e internacionais, deixando nítida sua real e inafastável importância. Uma prova disso ocorreu há poucos dias, quando ao se reunir com um mensageiro americano do meio ambiente, o governo federal chamou a pasta do agro para compor a mesa.

Sendo assim, como deixar de reconhecer que suas riquezas favorecem o crescimento nacional? Como esquecer os efeitos econômicos e sociais advindos de toda a atividade desenvolvida no seu entorno?

Certamente que a política nacional do agro passa pela frente da agricultura familiar e dos pequenos e médios produtores e, de fato, precisa ser mais bem estruturada, pois está carente de maior atenção. E afirmo isso com propriedade de causa devido à experiência vivenciada em anos de atuação jurídica e em gestão pública perante sindicatos, associações e órgãos com atuação na agricultura.

No entanto, mesmo podendo parecer trivial, por vezes, falta uma linguagem mais simples e direta para que ocorram reflexões, em especial aquelas mais óbvias, como por exemplo, a demonização desse setor que ajudou a escrever e gravar caminhos tão importantes para nosso reconhecimento mundial.

Assim, respeitando aos que pensam de forma diversa, é justo e coerente julgarmos e avaliarmos o que deve ser melhorado e aprimorado, sem jamais atacar ao que nos eleva, reconhecendo que "O AGRO" interessa a todos nós.


Gilberto Gomes da Silva é advogado, especialista em Direito Civil e Processual Civil, com MBA em Direito Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). E-mail: gilberto.gomes@irajalacerdaadvogados.com.br
Sitevip Internet