Olhar Agro & Negócios

Sábado, 14 de dezembro de 2019

Notícias / Geral

Preço da carne bovina deve demorar a cair em Mato Grosso, avalia analista do Imea

Da Redação - Vinicius Mendes

30 Nov 2019 - 12:00

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

Preço da carne bovina deve demorar a cair em Mato Grosso, avalia analista do Imea
A analista de pecuária do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), Marianne Tufani, avalia que o preço da carne bovina no Estado deve demorar a abaixar. Além do aumento da exportação para a China, o ciclo pecuário também é responsável pela redução do estoque de animais. Além disso, ela também afirma que o preço não diminuirá em decorrência das comemorações de final de ano.
 
Leia mais:
Aumento do preço da carne já atinge donos de restaurantes; blend para hambúrguer subiu 60%
 
A Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat) já havia avaliado que o preço da carne para o consumidor mato-grossense deveria subir em decorrência da habilitação de mais plantas frigoríficas do Brasil para venda de carne para a China.
 
Segundo a Acrimat, é uma questão de aumento da demanda em relação à oferta disponível, mas que os preços poderiam se estabilizar futuramente, com o aumento da produção. No entanto, a analista de pecuária do Imea, Marianne Tufani, afirma que a perspectiva de aumento de estoque não é positiva.
 
“Geralmente com o aumento da oferta o mercado acaba se equilibrando, mas esta redução de estoque de animais já era esperada de certa forma, porque estamos vendo que está tendo uma inversão no ciclo pecuário, que é um movimento comum que ocorre ao longo dos anos”, disse.
 
“Ocorre em torno de quatro ou dois anos, em que há um aumento do abate de fêmeas e cerca de dois anos depois observamos a redução de estoque de animais, porque abate mais matrizes e consequentemente reduz o mercado de boi gordo. E este ano inclusive temos visto bastante novilhas sendo abatidas, que poderiam ser futuras matrizes, então para o ano que vem e para o próximo a perspectiva é que não venha aumentar tanto a oferta de animais”, explicou.
 
A analista ainda afirma que, além do aumento da demanda externa, neste ano os preços não devem cair em decorrência das comemorações de Natal e ano novo, tanto para carne suína, mais utilizada tradicionalmente, como da bovina, que também acaba sendo bastante consumida.
 
“Pelo menos até o final do ano a gente não acredita que vai ter alguma retração [no preço], mas muito pautada pela demanda externa, que está bem alta. A gente tem acompanhado que até a quarta semana tem caído as exportações, eu acredito que seja mais pela falta de oferta de animal do que pela própria demanda, que está aquecida, mas a gente tem outro fator que acaba colaborando também com a sustentação dos preços, que é o final do ano”.
 
Tufani ainda afirmou que outros fatores podem acabar mudando o cenário, como o Governo tem estudado, mas que a perspectiva é que o preço se estabilize, ou aumente.
 
“Pode ser que haja um equilíbrio do mercado, a própria ministra disse que pode ser que importe animais de outros lugares para equilibrar o mercado, mas ainda assim já entramos em um outro patamar de preços, acreditamos nesta sustentação se este cenário permanecer. Se realmente os estoques de animais permanecerem baixos, devido ao ciclo pecuário e aumento das exportações, principalmente para a China, acreditamos que as cotações tem tendência a aumentar, ou pelo menos manter neste patamar”, disse.

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Realista
    03 Dez 2019 às 18:01

    Brasileiro precisa aprender a substituir um produto necessário que está acima de sua capacidade de aquisição, por outro similar ou equivalente. Infelizmente o agronegócio concentra sua força na exportação porque rende bem mais já que o preço de seus produtos é atrelado ao dólar. Portanto estão nem aí para o mercado interno. Temos que sempre reaprender com essa situação que é recorrente no tumultuado e instável cenário econômico de nosso país, desde sempre. Já era tempo do povo saber safar desses fatos. Ademais quando se boicota um produto que está caro, a tendencia é que o estoque se torne "empachado" e por consequência dê prejuízo a quem o produz. É a lei do mercado. Simples assim.

  • Jonathan Tim
    01 Dez 2019 às 12:17

    Bem feito para quem votou no Bolsonaro.

  • Lisandro Peixoto Filho
    30 Nov 2019 às 14:50

    O preço da carne hoje no Feira do Porto em Cuiabá, contradiz afirmação. Está abaixo do preço do início da semana. Preço no gado no pasto tem custo!

Sitevip Internet